quarta-feira, 10 de abril de 2013

Ex-vereador deixa PSB



Nei Eurico acusa partido e deputado de lhe virarem as costas
O ex-vereador pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), Nei Eurico Ferreira da Rocha, encaminhou ao Tribunal Regional Eleitoral do Acre, no último dia 21 de março, o seu pedido de desfiliação da agremiação partidária. Eleito em 2009, Irmão Nei, como é mais conhecido em Xapuri, não conseguiu se reeleger nas eleições passadas, quando o seu grupo político, cuja maior liderança é o deputado estadual Manoel Moraes, ficou em penúltimo lugar na disputa majoritária.

Irmão Nei reclama que foi esquecido pelo partido logo que a eleição terminou. Sem mandato, ele afirma que não foi mais procurado por Wágner Menezes, presidente do diretório municipal do PSB, e muito menos pelo deputado Manoel Moraes, com quem diz que já havia se indisposto durante a campanha eleitoral em razão de não concordar com os rumos que a aliança composta junto com o Partido Social Cristão – PSC - tomava. Sem espaço e sem prestígio, ele resolveu bater em retirada.

Nei Eurico conta que em determinado momento da campanha, Manoel Moraes o repreendeu numa reunião de planejamento diante de um grupo de 15 pessoas. O deputado teria se aborrecido com a discordância do então vereador com a estratégia traçada pela coligação, que se baseava em verdadeiros espetáculos de baixarias e ofensas morais desferidas contra os adversários políticos pelo ex-prefeito Vanderley Viana, que era candidato a vereador pelo PSC.

O mal-estar entre os dois se agravou quando o ex-vereador contestou o slogan de campanha da coligação, que dizia: “sem ódio e sem perseguição”. Irmão Nei afirma que naquele momento se sentia participante de um grupo político que não fazia outra coisa senão destilar ódio e perseguição contra seus adversários. Como resposta, ouviu do deputado a seguinte frase: “De políticos como você, que divide em vez de somar, nós não precisamos”.

Pastor de uma das congregações da igreja Assembleia de Deus, Nei Eurico diz que sentia grande constrangimento em participar de um palanque que adotava uma linha de campanha política tão virulenta. Segundo ele, chegou a seguir um caminho distinto, do ponto de vista político-partidário, daquele escolhido pelo líder de sua igreja em Xapuri com o intuito de dar prosseguimento ao projeto do PSB. Agora se diz abandonado por aqueles a quem considera que tanto ajudou.  

Sobre o esforço que fez para ajudar a eleger um deputado por Xapuri, o ex-vereador diz que foi em vão. “Hoje não faz diferença termos um deputado estadual que se diz representante do nosso município. A maior parte das expectativas criadas com a eleição do Manoel não foram correspondidas. De um grupo de 50 eleitores meus, de uma determinada localidade, que votaram nele, talvez nem cinco por cento do total volte a fazê-lo”, afirmou.

Perguntado sobre o seu futuro político, Irmão Nei diz que já recebeu convites para se filiar em outras agremiações, mas permanecerá, por enquanto, sem partido. Ele afirma também que numa última conversa com o presidente do Diretório Municipal do PSB, Wágner Menezes pediu para que a decisão de deixar o partido fosse revista ou pelo menos adiada. A falta de definição para o futuro da sigla foi mais uma razão dada para não atender ao pedido.

Procurado pelo blog, Wágner Menezes apenas afirmou que o ex-vereador faz jogo de pressão para conseguir o que deseja na sua relação com o partido. Ele preferiu se pronunciar através de nota a ser enviada ao blog depois da publicação deste post. Encaminhei um “release” desta postagem à assessoria do deputado Manoel Moraes, que também informou que responderá posteriormente, através de nota, as acusações feitas pelo ex-vereador Nei Eurico.
Raimari Cardoso
← Anterior Proxima → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário