terça-feira, 7 de maio de 2013

Via Verde Shopping impede entrada de deficiente físico




Um deficiente físico foi impedido por um segurança de entrar no Via Verde Shopping, o único de Rio Branco (AC), às 14h05 de domingo (5), quando tentou visitar o estabelecimento pela primeira vez.  O caso foi testemunhado por um motorista e uma cobradora de ônibus, além de uma funcionária da franquia Subway.
Mário William, 44 anos, é muito conhecido na capital do Acre por circular em locais públicos, apesar da dificuldade de locomoção decorrente de uma paralisia cerebral que afeta a coordenação motora desde o nascimento. É alegre, fala com muita dificuldade, mas diariamente, por recomendação médica, é liberado pelos pais a sair de casa sozinho para percorrer o centro comercial da cidade.
Querido por cobradores e motoristas, Mário estava no terminal urbano de Rio Branco, no começo da tarde de domingo, quando decidiu conhecer o shopping da cidade, que foi inaugurado há um ano e seis meses.
- O Mário disse que queria visitar o shopping pela primeira vez. Vamos lá, eu falei. Quando chegamos ao shopping, ele se despediu de mim e da cobradora e desembarcou. Como é ponto final, ficamos estacionados esperando o horário de retornar ao centro da cidade. O Mário foi ao shopping e logo voltou. Estava chorando e contou que foi barrado pelo segurança. A cobradora e eu achamos aquilo um absurdo e fomos com Mário até o shopping. Foi quando o segurança disse que tinha ordem para não permitir a entrada de deficiente físico desacompanhado, para evitar que o shopping fosse responsabilizado por qualquer problema. Uma mulher que trabalha numa loja presenciou tudo e ficou revoltada com a atitude do segurança – relatou o motorista de ônibus Deuzimar Nogueira, 31.

Rede social
O caso se tornou público na noite de domingo. Diones Gomes, funcionária da loja Subway, relatou no Facebook o que considerou um "absurdo". Ela disse que o deficiente teria sido impedido porque era pobre e "não estava bem vestido".
- Perguntei ao segurança o motivo do impedimento. Ele respondeu que cumpria ordens. Fiquei muito revoltada. Perguntei ao rapaz deficiente o que ele queria fazer. Ele disse: "Eu só queria conhecer o shopping." Estava com os olhos cheios de lágrimas e acrescentou: "Ninguém é melhor do que ninguém". Aquilo doeu meu coração. Então resolvi contar no Facebook o que presenciei. Estou disposta a testemunhar contra o segurança e contra o shopping – disse Dione Gomes.
Mário William é filho do casal Márcio Gley Gomes de Souza, 39, e Lenira Souza, 64.
- Nós temos três filhos especiais. O primeiro é o Manoel Otemar Oliveira de Arruda. Ele tem 32 anos. É filho biológico do primeiro casamento da Lenira. Os outros dois são Mario William, que tem 44 anos, e o Gildomar, de 29 anos. Eles foram acolhidos por mim e minha esposa. A nossa família é unida. O shopping desrespeitou a lei porque ele é pobre e deficiente. Ele pode ser pobre financeiramente, mas é muito rico na graça de Deus. Além disso, o Mário é muito inteligente e sua vida serve de inspiração a muita gente.  Quando voltou chorando, contou que queria conhecer o shopping e comprar um presente para a mãe – disse o pai.
Fonte: Terra MAgazine
← Anterior Proxima → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário